Não sabemos mais ser tristes

Vivemos uma euforia constante. Constante e compartilhada nas redes. Com toda essa felicidade sendo revelada a todo instante, há tempos não existem mais mistérios sobre ninguém. Basta uma rápida busca nas redes sociais para sabermos onde se mora, trabalha, estuda, quais atividades pratica, o que comeu no jantar ou até que roupa está usando hoje – no caso de também ser devoto de selfies.

Dedos viciados em felicidade correm pelas telas do celular revelando postagens de gente bonita, maquiada e bem sucedida. São famílias perfeitas, casais que se amam, amigos que se idolatram. Vidas interessantes, legendadas por palavras de motivação, superação, gratidão incessantes. Não há espaço para tristeza, não há espaço para a mediocridade, somente o extraordinário merece likes, visualizações, compartilhamentos, comentários de elogios.

Vivi uma adolescência onde ainda era aceitável ficar isolada em algum canto com aquela seleção de músicas para chorar as mágoas.  Era ali que refletia e esgotava qualquer dor. E de algum modo, essa exploração de sentimentos trazia melhora, evolução, um pingo de autoconhecimento. Mas a introspecção vem assumindo ares de estranheza, ultimamente.

Entendo que a juventude ainda seja um momento de imensas descobertas. Onde se aprende a lidar com a rejeição, desejos não atendidos, as primeiras decisões importantes sobre o futuro. Então por que os conflitos vividos hoje parecem tão exagerados e desnecessários?

Diante desta ditadura da felicidade que estamos vivendo, como nós, adultos, estamos lidando com nossas frustrações?  Como estamos encarando este mundo onde a vida de todos parece ser tão perfeita? Para onde estamos canalizando nossa tristeza natural? Estaríamos sufocando nossos sentimentos?

O turbilhão de informações sobre tantas pessoas, não raro, nos fazem crer que sabemos muito. De fato até sabemos muitas coisas, mas apenas do que é aceitável de se mostrar. O que há por trás do dispositivo de cada câmera? O que mora nos bastidores do não revelado? Estaremos interessados em saber? Tenho a sensação de que estamos preferindo ficar no raso. Até que ponto estaríamos dispostos a nos comprometer, compartilhar e dividir o não publicável?

Seguimos guiados pelos likes, na ilusão de que as curtidas sejam a recompensa que buscamos, quase tão loucamente quanto o utópico e constante estado de felicidade. Quase tão desesperadamente quanto perseguimos o reconhecimento alheio. Quase tão estranhamente quanto lutamos para camuflar nossa aflição, já que não sabemos mais ser tristes.

Anúncios

2 Responses to “Não sabemos mais ser tristes”


  1. 1 Nelson Antonio 31/05/2016 às 00:51

    De tanta cibernética, passamos a SERMOS VIRTUAIS até com quem é REAL na nossa vida !Linda crônica, me leu a fundo. Como um submarino espião tipo série 007, sua espiã de almas ! Meu abreijo, nelsantonio
    zap 31 991118477

    • 2 Carina Carboni 31/05/2016 às 12:23

      É que estamos todos no mesmo barco, Nelson. Abraço!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Já passaram pelo Diário

  • 159,228 visitantes

Digite seu email para acompanhar o Diário de Carina e receber notificações de novos posts via e-mail.

Junte-se a 230 outros seguidores

Social

Carina por ela mesma

Brasileira. Catarinense, mas quase gaúcha. Filha da dona Rozalina e do seu Alírio. Praiagrandense e acolhida pela cidade de Itajaí/SC. Neta da dona Floripe e do nono Carboni. Jornalista. Recém-casada. Esposa do Cleber. Idealista por natureza. Cantora de chuveiro. Ariana. Gremista. Ex-coroinha. Blogueira. Egressa do Bulcão Viana e da Univali. Tem especialização em Comunicação Empresarial, mas o rádio é a sua grande paixão.

Foi um desastre nas aulas práticas de educação física, mas tirou boas notas em redação durante o ginásio e o colegial. Desde o berço o seu lance é comunicação, dizem que aprendeu a tagarelar antes mesmo de dar os primeiros passos. Em 86 encantou fiéis com assovios durante as missas. Em 99 devorava três livros por semana e era fã de Sandy e Júnior. Locutora de Rádio entre 2002 e início de 2006. Cursou Letras na Unisul em 2005. Logo depois, ao sair de casa para morar 400 km distantes da terrinha natal, também viria a tornar-se escrava do lar.

Rói as unhas quando está nervosa. Gosta de café com leite, mas com mais café do que leite. Ansiedade é a sua marca. Tem saudades de casa, mas viaja pouco porque odeia congestionamentos. Gosta de dançar e de comer leite condensado de colher. Ouve Marisa Monte pra ficar em paz e faz faxina de vez em quando.

Como jornalista está ciente que hard news não é muito a sua praia. Tem carteira de habilitação, mas paga pra não precisar dirigir carro. Gosta de maquiagem e literatura. Adora contar histórias e receber comentários neste blog.

Essas são algumas impressões sobre si mesma. Sinta-se a vontade para ter as suas próprias e volte sempre que quiser.

Eles passam por aqui


%d blogueiros gostam disto: